segunda-feira, 3 de maio de 2010

1st May

“O destino, o vento e o sol construíram uma cama de flores roxas e amarelas, macias como sedas das mais finas. O sol criou a temperatura perfeita e as suas mão fizeram o resto. As alergias primaveris cessaram naquele momento.

Ali, dois corpos agitando-se num mundo horizontal, limitado por plantas esvoaçantes, borboletas e um tronco de uma oliveira, faziam-se felizes ao mesmo tempo que se prometiam um ao outro, olhos nos olhos, beijos nos lábios

olhos no sol, beijos nos sol

olhos no céu, beijos no céu,

e olhos que já não olhavam, só beijos que beijavam

Ali, depois, uma alma em dois corpos, deitada no silêncio do calor.

Cabelo e pedaços de flores e terra e folhas e os corpos perfeitamente sintonizados com a terra que parecia fluir debaixo das suas costas nuas e quentes.

Palavras, abraços e gestos amarelos, roxos e verdes por toda a atmosfera que era exclusiva, nem a água a merecia sentir naquele instante porque existiram dois seres que conseguiram superar a essência elementar da ribeira que corria por lá.”

campo

Sem comentários: